Galeria

DOUTRINANDO – Os Perigos Das Heresias – 02 de março de 2013

Os Perigos Das Heresias02MAR13

O que é heresia?

O estudo apologético capacita-nos não apenas a discernir os ensinos heréticos das seitas e de outras religiões, mas também ajuda-nos a evitar desvios da doutrina cristã e o surgimento de idéias estranhas ou contrárias ao conteúdo das Sagradas Escrituras. Para compreendermos melhor a relevância deste assunto hoje, vale a pena relembrarmos o significado de alguns termos muito pertinentes… Entendemos por heresia qualquer ensino ou costume divergente daqueles embasados pela Palavra de Deus. Em seu Dicionário Teológico, o Pr. Claudionor Côrrea de Andrade, professor de Teologia Sistemática e Filosofia, define heresia como um “ponto de vista contrário às doutrinas aceitas pela comunidade dos fiéis”. Assim, a missão da apologética cristã é resguardar a integridade das verdades referentes a Deus e a fé bíblica, isto de forma argumentativa, lógica e sistemática.

Um problema antigo!

Desde o início de sua história, ainda na era apostólica e principalmente na era dos mártires, o cristianismo foi alvo de críticas e calúnias acerca de suas práticas e crenças. Justo Gonzáles, autor da coleção “Uma História Ilustrada do Cristianismo”, diz que: “Todas estas idéias – e muitas outras – que circulavam acerca dos cristãos, eram todas luzes falsas, e para refutá-las os cristãos deviam apenas apontar para sua própria vida e conduta, cujos princípios eram muito mais restritos do que os dos pagãos”. Ainda no segundo século, aqueles que se convertiam não vinham ao cristianismo livres de sua bagagem cultural. Em certos casos as pessoas produziam interpretações muito próprias, muito particulares da fé, e algumas chegavam a divergir radicalmente dos ensinos de Jesus e dos apóstolos.

Os defensores da fé.

Foi também no segundo século que surgiram os apologistas – homens capazes, levantados por Deus para defender a fé pura e a sã doutrina: Justino, Orígenes, Tertuliano, entre muitos outros. Um deles, Irineu, alertando sobre o perigo das heresias, escreveu: “O erro nunca se apresenta em toda sua nua crueza, a fim de não ser descoberto. Antes, veste-se elegantemente, para que os incautos creiam que é mais verdadeiro do que a própria verdade”. Das heresias antigas mais notáveis combatidas por eles podemos citar: o marcionismo, que ensinava que o Deus do Velho Testamento não é o mesmo do Novo; o arianismo, que negava a divindade do Senhor Jesus Cristo; o ebionismo, que ensinava ser o cristianismo uma mera continuação do judaísmo; o binitarianismo, que se referia à Trindade composta apenas por duas pessoas (Pai e Filho) e o unitarianismo, que rejeitava a Santíssima Trindade. É impressionante saber que algumas dessas heresias subsistem até hoje em certas seitas e grupos pseudocristãos!

Cuidados.

Mesmo os cristãos mais zelosos precisam tomar cuidado para não serem enredados por quaisquer mentiras; todos corremos o risco de aceitar um pensamento ou conceito que não sejam bíblicos. Até mesmo o óleo, um copo com água ou um lenço podem desviar-nos da fé pura no verdadeiro Deus! Uma invenção nova pode tomar o lugar da verdadeira e sã doutrina! O Senhor Jesus advertiu: “Vede que ninguém vos engane. Porque muitos virão em meu nome…” (Mt 24:4); o apóstolo Paulo foi rigoroso ao denunciar os falsos mestres que se levantavam no meio dos crentes para ensinar falsas doutrinas, considerando-os desviados, mentirosos (1 Tm 1:6, 4:3) e insubordinados (Tt 1:10). João escreveu que os anticristos saem do meio dos crentes (1 Jo 2:19) e que não se deve dar crédito a qualquer espírito, mas antes, se deve prová-los (1 Jo 4:1). A Bíblia nos alerta sobre estes perigos iminentes, que a princípio parecem expressões inofensivas, mas que nos lembram as palavras do apóstolo Paulo: “… não mais sejamos como meninos, agitados de um lado para outro e levados ao redor por todo vento de doutrina, pela artimanha dos homens, pela astúcia com que induzem ao erro” (Ef 4:14). Mas, ao invés, cresçamos no “conhecimento e na graça de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2 Pe 3:18).

Por: Oslei Nascimento – Igreja Presbiteriana do Brasil – Curitiba / Paraná

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.